Sob a Minha Pele


Sob a minha pele
Existe um poeta que grita
Rancores adormecidos
Saudades abrandadas
Suores de um velho tempo

Sob a minha pele
A tua face nua se espelha
No olhar cálido que se eterniza
Sua brandura, sua singeleza

Sob a minha pele
Há desvios, e vidas já vividas
Que transpassam e respiram
Sentimentos amanhecidos
Amores há tantos findos
Afetos coligidos

E uma sombra de luz se forma, em memória
Sob a minha pele, ainda que sem voz, grita
A linguagem da sensível diferença
De quem com os dedos trêmulos toca.

Um comentário:

WILLIAM (Penso, Logo Escrevo...) disse...

Olá ,
Estou de volta... Tive um problema no meu PC.
Aguardo uam visita sua no meu blog.
Abraço!!!

Related Posts with Thumbnails