Madura Idade


Depois da poda
Encontro minha força
Falo com o corpo inteiro
Porque falo mais do que palavras


Desisto e insisto
Pois que, a vida me espera
Profundidades me agradam
Superfícieis, estas, já me são ralas!...


Nasci, de nada sabia
Cresci, desejando conquistar
Aprendi com as águas a ser flexível
Com as pedras, a ser firme


Tampouco me importam as aparências
Como fumaça, sobe e some

Prefiro a terra, úmida, palpável
Que com segurança, vejo ao longe
E onde, madura, posso pisar!

Um comentário:

Carol Barcellos disse...

Às vezes precisamos ser podadas para florir mais...
Lindo poema!!!

Beijinhos doces cristalizados!!! ;o)

Related Posts with Thumbnails