No Contar dos Dias


Recolho, às vezes, minhas cores
Deixando o sóbrio branco reinar
No contar dos dias
Ainda que exista o improvável
Por entre as horas
De quem já se cansou de esperar

Na sombra misteriosa dos dias
A primavera com seu feitiço prima
Solto um grito entalado na garganta
Ao ver que ainda existem
Pássaros absurdamente livres

Colho, então, minhas tempestades
Para que delas eu possa um dia fazer
Revelando meus segredos a alguém
Um caminho rendado de flores
Onde possa chegar além

3 comentários:

Des-colorindo os dias disse...

Adoro doce! rs

Bom conhecer seu blog.

abraço.

sagher disse...

"Ainda que exista o improvável
Por entre as horas"

o tempo nao passa somos nós que passamos por ele. o tempo "é". Singularidade, mistério,probabilidade
e entre os intervalos do tempo, há sempre um momento de bela poesia.
pbrigado por partilhar

david santos disse...

Linda poesia!
O tempo mostra-nos tudo que já viu e reviu. Ele sempre viu tudo. A nós resta-nos vivê-lo na sua passagem por nós. Ou melhor; quando passamos por ele.
Parabéns.

Related Posts with Thumbnails