Abstrato


Na segunda chance de viver
Tento ser o que me foi esquecido
O que mais semeei, desisti de colher...
Pois,que, o mais essencial agora me chama.
Dos retratos de mim, do contorno de perfis
O que consigo tocar com as mãos
Já me é indiferente...
Quero o roçar do abstrato!
Do que mais sublime e verdadeiro posso sentir
O que somente a emoção consegue exilar
No seu doce e leve embalo,
Tento extrair o sumo de melhor ser
Afinando a percepção
a capturar o que de mais límpido e insano há em mim.

Um comentário:

Fernanda Passos disse...

Lindo Maria, Lindo. Visita meu blog tb www.pnaveia.blogspot.com beijos

Related Posts with Thumbnails